quarta-feira, 7 de janeiro de 2009

A PEDAGOGIA DE WALDORF


Para uma melhor compreensão do que significa uma nova forma de ensinar, faço em seguida um breve resumo da pedagogia denominada por Waldorf.
Existe por vezes um mal entendido quando se fala na pedagogia Waldorf, em que se diz que esta ensina pela arte, prendendo-se mais com o ser a arte da educação. Por exemplo, a tarefa essencial do professor ou educador tanto nas atividades práticas como culturais é trabalhar com as crianças como um “artista”. Não se trata unicamente de ensinar arte ao aluno, mas de lhe ensinar também as matérias “não artísticas” de uma forma artística e imaginativa. Este método de ensino tem objectivos claros: dar liberdade, criar entusiasmo e encanto pela aprendizagem e respeitar a criança, dando-lhe tempo e espaço suficientes para aprender, sem competição e sem pressas.
A pedagogia Waldorf baseada na antroposofia significa o ter a sabedoria do homem enquanto ser composto por corpo, alma e espírito e com capacidades de pensar, sentir e agir.
Por exemplo, em História é mais importante que a criança compartilhe a angústia de Cristóvão Colombo na viagem ao “Novo Mundo”, do que aprender as datas importantes na biografia deste personagem. De fato, estas adquirem mais significado quando se experimentou o primeiro processo. Basicamente o professor dirige-se à sensibilidade da criança dos sete aos quatorze anos, dado que a capacidade de relação se forma mais com base nos esforços e capacidades do educador como “artista”, que na matéria de estudo em si.
Nas Ciências Naturais, a capacidade de maravilhar-se ante o prodigioso, cultiva-se também nesta idade. Tais sensações podem aflorar por exemplo ao estudar o corpo humano, e descobrir a relação vital entre a substância mais dura e as células mais viajadas. Este sentido para o assombroso acaba por desenvolver um sentimento de reverência, podendo criar uma sensibilidade ante o prodigioso, reforçando as aptidões críticas que o estudo da ciência requer, e que se desenvolvem em etapas posteriores do ciclo educativo.
São três as fases pelas quais a criança passa segundo a pedagogia Waldorf.
A primeira vai desde a concepção até aos sete anos, e a palavra chave da mesma é – Imitação. Esta consiste na etapa mais receptiva da aprendizagem da criança. O pôr-se em pé, a aquisição da linguagem e a capacidade de pensar são conquistas gigantescas, conseguidas num período de 3 ou 4 anos. A criança aprende tudo isto sem que lhe seja ensinado. Adquire-o graças a uma capacidade latente, instinto e sobretudo imitação. A criança imita tudo o que a rodeia, não só os sons da fala e os gestos dos adultos, mas também as atitudes dos pais e amigos.
A segunda fase consiste na Imaginação e vai desde os sete aos catorze anos. A criança desenvolve uma nova vida ativa imaginativa, ao mesmo tempo que uma maior disposição para a aprendizagem em sentido formal.
Experimenta e expressa a vida por meio de sentimentos mais definidos. Começa a desenvolver uma aptidão para pensar consequentemente. Esta etapa tem que ser tratada com cuidado, pois ainda que o pensar necessite de ser estimulado, a característica essencial continua a ser o universo imaginativo.
Nesta fase, os professores optam por não usar manuais escolares. São os estudantes que, por si próprios, constroem os livros pelos quais estudam. E, dizem os professores, são autênticas obras de arte. Na medida em que os alunos não possuem livros mas sim cadernos, estes têm que escrever a matéria e os estudos que fazem, tendo que posteriormente os ilustrar, sendo tal uma forma de estudo e reflexão.
Os professores Waldorf defendem que, até esta idade, os estudantes devem ter a oportunidade de interagir livremente uns com os outros, explorar o mundo das ideias, participar nos processos criativos, desenvolvendo o seu conhecimento, capacidades e qualidades próprias, sem que isso atrase a sua formação em relação aos estudantes do sistema de ensino oficial.
A terceira fase corresponde ao período dos quatorze aos vinte e um anos sendo esta definida pelo Juízo Racional. Nesta fase o aluno é capaz de utilizar a sua mente como instrumento objetivo. Outros traços próprios da psicologia são um idealismo valioso e são, assim como uma vulnerável sensibilidade do adolescente aos seus próprios sentimentos e experiências.

2 comentários:

M�rcia disse...

Bom dia a todos e todas!

meu nome é Márcia, tenho 42 anos e estou me graduando no curso Tenologia em Gestão Ambiental. Gosto muito de ações que priorizem a cidadania e a formação do Ser, e creio que isto só se pode obter através da Educação, embora nunca tenha atuado na mesma, sinto grande afinidade pela pedagogia Waldorf. Devo dizer que encontrei este site e esta matéria por acaso (?) quando pesquisava outras coisa na web, mas encantei-me pelo que estou vendo. Moro em Anápolis/GO, e gostaria muito de conhecer mais de perto o trabalho de vocês, (tanto o educativo quanto o filantrópico), seria muito enriquecedor para meu aprendizado e ações futuras. Bem, estou apresentando esta idéia a grosso modo, pois me ocorreu agora, se meu perfil for interessante para algum trabalho que desenvolvam ou venha a desenvolver, favor contatar-me, meu e-mail é: apoena7@yahoo.com.br
Parabéns pelo lindo trabalho que desenvolvem.

Anônimo disse...

Entraremos em contato brevemente.
Fico contente de ver que podemos ajudar, estaremos sempre às ordens.

Campanhas...

Não à erotização infantil!
Nâo à erotização infantil ! Pedofilia é crime !Pedofilia é crime !

PROCURA-SE

A AMAI gostaria de desenvolver um trabalho com a comunidade de Santa Maria ensinando as crianças, jovens e quem mais esteja interessado, de produção de GRAFITE, caso você saiba grafitar e tenha interesse em fazer um trabalho VOLUNTÁRIO com nossa equipe, entre em contato conosco, estamos aguardando. Estamos em Brasília nas Segundas feira a partir de 19:00hs as 20:30hs na Paróquia Nossa Senhora Consolata e em Santa Maria aos Domingos a partir de 14:00hs esperamos por você!